Assessoria jurídica

>>Sigilo profissional e as mídias sociais

Sigilo profissional e as mídias sociais

2018-11-29T10:11:09-03:00

Volta e meia a exposição de pacientes na mídia vem à tona, provocando a reflexão entre o desejado e o possível em relação à propaganda médica, à melhor forma de transmissão das informações e, sobretudo, ao sigilo profissional.

Em matéria recente no Portal do CREMESP – Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo, o órgão fala do assunto, sob o título: “Postagem de imagens de cirurgias em redes sociais infringe o Código de Ética Médica”. Diz o texto que a prática da reprodução de fotos de pacientes submetidos a procedimentos cirúrgicos na internet é infração ética.

É o que diz o art. 75 do Código de Ética Médica que proíbe o médico de: “fazer referência a casos clínicos identificáveis, exibir pacientes ou seus retratos em anúncios profissionais ou meios de comunicação em geral, mesmo com a autorização do paciente”. A vedação do citado artigo abrange desde a publicidade médica por parte do médico até o direito do paciente ao sigilo em relação às informações sobre o seu estado de saúde.

A melhor doutrina em direito médico ensina que tanto faz a referência a casos clínicos como a exposição da imagem de pacientes em publicação leiga ou médica, mesmo com a autorização do paciente.

Outro aspecto importante é que para a caracterização do delito não é necessária a ocorrência de dano. Contudo, uma vez consumado o prejuízo, as consequências para o profissional serão agravadas.

A seguir, destacaremos os comentários feitos sobre o sigilo profissional relacionando-os ao Código de Ética Médica no texto, com o propósito de torná-los conhecidos e por julgá-los de relevante importância:

– Em caso de investigação de suspeita de crime, fica vedado ao médico revelar qualquer segredo que possa expor o seu paciente a um processo penal;
– Em relação ao paciente que for menor de idade, o sigilo profissional só pode ser quebrado pelo médico caso a criança ou o adolescente não tenha capacidade de discernimento ou quando, apesar de tal capacidade, a não revelação acarrete em algum dano ao paciente;
– Informações em relação a exames médicos de trabalhadores, mesmo quando exigidos pelos dirigentes de empresas ou de instituições, também não podem ser reveladas, salvo quando o sigilo puser em risco a saúde de outros empregados ou da comunidade, conforme orientação do art. 76;
– É vedado ao médico, segundo o art. 77, prestar informações a seguradoras sobre as causas e circunstâncias da morte de um paciente que estava sob seus cuidados, além das que constam na declaração de óbito. Quando o representante legal do paciente que veio a falecer autorizar a divulgação das informações, o médico fica liberado para dar detalhes do caso;
– Cabe ao médico orientar seus auxiliares e alunos sobre o sigilo médico, e cuidar para que eles sigam o que é determinado pelo Código;
– Diz o art. 79 que o profissional de saúde deve “guardar sigilo profissional na cobrança de honorários por meio judicial ou extrajudicial”.

Em caso de dúvida, o profissional não deve vacilar, é recomendável a consulta à CODAME – Comissão de Divulgação de Assuntos Médicos, existente em todos os Conselhos de Medicina. Afinal, a prevenção é sempre o melhor remédio!

 

Adriana C. Turri Joubert
Assessora Jurídica

Destaques da SBOT

Membro quite tem desconto no Congresso Anual SBOT!
Por favor, aguarde enquanto estamos te redirecionando.
Confira as principais recomendações sobre a pandemia da COVID-19