A ortopedia e a sua saúde

Osteoporose Primária pós-menopausa

O que é?

A osteoporose é uma doença caracterizada por uma baixa massa óssea e deteriorização da microarquitetura do tecido ósseo. Isso causa fragilidade óssea e aumento no risco de fraturas.

Devido ao aumento na expectativa de vida da população brasileira, a osteoporose é reconhecida como importante questão de saúde pública. Isso porque ela afeta indivíduos de maior idade, sobretudo mulheres na pós-menopausa.

Toda mulher na pós-menopausa necessita avaliação do risco de osteoporose. Para isso é necessário fazer uma combinação de dados da história clínica, exame físico e também o uso de métodos diagnósticos complementares, sempre em avaliação feita por um médico especialista em Ortopedia e Traumatologia.

Fatores de risco

Os fatores de risco para a osteoporose devem ser identificados a partir de um histórico clínico da paciente. Entre eles incluem-se: sexo feminino, idade, deficiência estrogênica, raça branca ou asiática, baixo peso e baixo índice de massa corporal, baixa ingestão de cálcio na infância, sedentarismo, histórico familiar de osteoporose, tabagismo e história prévia de fratura.

Pós-menopausa

A osteoporose pós-menopausa ou Tipo I está associada à insuficiência hormonal do climatério – conjunto de sintomas que surgem antes e depois da menopausa, ou condições que induzem
precocemente diminuição de estrógenos. Geralmente acontece nas duas primeiras décadas após o início da menopausa, sendo que as primeiras alterações na velocidade de perda de massa óssea já se demonstram entre três e cinco anos antes do término do período menstrual.

Sintomas

Entre os principais sintomas da osteorporose estão a ocorrência de fraturas – principalmente em vértebras e em ossos como o fêmur, dores nos ossos e nas articulações, diminuição da altura e alteração na estrutura do ombro (que fica mais curvado para a frente).

Diagnóstico

O diagnóstico inicial da Osteoporose é, primeiramente, clínico e passa por uma avaliação do histórico do paciente (anamnese) e exames clínicos em que, dados como uma história familiar, perda de altura, a baixa ingesta de cálcio na infância, falta de esporte na juventude, sedentarismo, menopausa precoce, uso de determinadas medicações, e a existência de doenças associadas já permitem ao especialista um primeiro diagnóstico. O Exame “Padrão Ouro” é a densitometria óssea da coluna lombar e do Fêmur. Somente após esta abordagem é que, a pesquisa parte para exames mais específicos e aprofundados para avaliação as condições da doença.

Prevenção e tratamento

A prevenção da osteoporose se inicia já na infância, o Pico de Massa Óssea se da por volta dos 30 anos de idade. A osteoporose tipo 1 (pós-menopausa) está diretamente relacionada a um acompanhamento feito pela mulher muito antes de entrar nessa fase da vida. É importante procurar um especialista para fazer uma avaliação e conhecer as opções de prevenção e tratamento da doença. Quando a osteoporose é diagnosticada e tratada precocemente, as fraturas decorrentes da doença podem ser evitadas. Confira a seguir um resumo com as principais formas de prevenção e tratamento:

  • CÁLCIO, VITAMINAS E DERIVADOS – Dieta rica em cálcio ou da suplementação nos casos de baixa ingestão ou déficit de absorção. A vitamina “D” tem importante papel na Absorção do Cálcio ingerido. Esses nutrientes são essenciais para a manutenção da saúde em geral e, em particular, para a manutenção do tecido ósseo.
  • EXERCÍCIOS – Hábitos saudáveis como a prática regular de exercícios são de grande importância para a manutenção da densidade mineral óssea e para o tratamento da osteoporose. Especificamente os exercícios aeróbicos, musculação, demonstram manutenção da massa óssea de mulheres na pós-menopausa tanto em coluna vertebral como no quadril.
    Vale dizer que em pacientes com osteoporose estabelecida deve-se evitar exercícios de alto impacto. A prática regular de exercícios melhora o equilíbrio, a elasticidade e força muscular, que em conjunto diminuem os riscos de quedas e consequentemente de fraturas.
  • TERAPIA DE REPOSIÇÃO HORMONAL – terapia que utiliza medicamentos que ajudam a repor os níveis de estrogênio e progesterona, que estão diminuídos na menopausa. É recomendada para prevenção da osteoporose, pois possui a capacidade de aumentar a massa óssea.
  • BIFOSFONATOS – Atuam diminuindo a perda da massa óssea no fêmur e coluna, diminuindo assim o risco de fraturas. Os efeitos adversos mais frequentes são os relacionados ao aparelho gastrointestinal.
  • MODULADORES SELETIVOS DE RECEPTORES DE ESTROGÊNIOS – Propiciam a estabilidade e por vezes o aumento na densidade mineral óssea na coluna vertebral. Efeitos adversos incluem câimbras de membros inferiores, sintomas vasomotores e tromboembolismo venoso (incomum >1/ 1000)(27)(A).
  • CALCITONINA – Hormônio produzido na glândula tireóide que atua na diminuição da atividade dos osteoclastos, inibindo a reabsorção óssea. Pouco utilizada na atualidade por ser a menos efetiva na prevenção de fraturas osteoporóticas. Necessita de administração por inalação nasal.
  • TERIPARATIDA (PTH) – Derivado sintético do hormônio da paratireóide estimula a formação óssea, utilização diária subcutânea de 18 a 24 meses. Atua na prevenção de fraturas vertebrais e não vertebrais (exceto do quadril) Esta contra indicado em Pacientes que já tiveram diagnóstico de câncer de osso ou metástases ósseas, hiperparatireoidismo e Doença de Paget.
  • DENOSUMABE: primeira medicação biológica para osteoporose, administração subcutânea a cada 6 meses, atua na prevenção de farturas vertebrais, do quadril e não fraturas não vertebrais. Única indicada para pacientes renais. Podem ocorrer com frequência Artralgia* e Dores nas costas.

PERGUNTAS A FAZER AO ORTOPEDISTA

  • Você é especialista pela Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia?
  • A partir de que idade devo começar a me preocupar com a osteoporose?
  • Quando devo procurar um especialista?
  • A SBOT tem especialistas?

A SBOT é uma associação nacional de especialidade médica responsável por congregar os especialistas em Ortopedia e Traumatologia. A Sociedade promove e tem a responsabilidade na formação de especialistas, além de prover condições para atualização permanente, sob a forma de ensino, pesquisa, educação continuada, desenvolvimento cultural e defesa profissional.

 

Referências
1. www.sbot.org.br
2. http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-42302009000500008
3. http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-36162012000200008
4. http://www.scielo.br/pdf/rbort/v50n1/pt_0102-3616-rbort-50-01-00050.pdf

Destaques da SBOT