A ortopedia e a sua saúde

Cirurgia no Quadril

Por |2019-01-11T11:17:25+00:0009/10/2018|Quadril|

O Quadril

O quadril é a articulação (junta) que liga o osso da coxa (fêmur) ao osso da bacia (pélvis), permitindo os movimentos dos membros inferiores.

No quadril normal a cabeça do fêmur e a pélvis são cobertos por uma cartilagem macia que permite o fácil deslizamento da cabeça do fêmur dentro da cavidade (acetábulo). Uma articulação, normal deve possibilitar os movimentos do quadril em várias direções, ser estável e indolor.

Fraturas do Quadril

Uma fratura de quadril é uma fratura no quarto superior do osso do fêmur (coxa). A extensão da quebra depende das forças envolvidas. O tipo de cirurgia usada para tratar uma fratura de quadril é baseada principalmente nos ossos e tecidos moles afetados ou no nível da fratura.

Anatomia

O “quadril” é uma articulação de bola e soquete. Permite que a parte superior da perna dobre e gire na pélvis. Uma lesão na cavidade, ou acetábulo, em si não é considerada uma “fratura de quadril”. O manejo das fraturas na cavidade é uma consideração completamente diferente.

Causas

O “quadril” é uma articulação de bola e soquete. Permite que a parte superior da perna dobre e gire na pélvis. Uma lesão na cavidade, ou acetábulo, em si não é considerada uma “fratura de quadril”. O manejo das fraturas na cavidade é uma consideração completamente diferente.

Sintomas

O paciente com uma fratura de quadril terá dor na parte superior externa da coxa ou na virilha. Haverá desconforto significativo com qualquer tentativa de flexionar ou girar o quadril.
Se o osso tiver sido enfraquecido por uma doença (como uma lesão por estresse ou câncer), o paciente poderá notar dor na região da virilha ou da coxa por um período de tempo antes do intervalo. Se o osso estiver completamente quebrado, a perna pode parecer mais curta que a perna não lesionada. O paciente frequentemente mantém a perna lesionada em posição fixa, com o pé e o joelho virados para fora (rotação externa).

Diagnóstico

O diagnóstico de uma fratura de quadril geralmente é feito por um raio-X do quadril e do fêmur. Em alguns casos, se o paciente cair e se queixar de dor no quadril, uma fratura incompleta pode não ser vista em um raio-X regular. Nesse caso, a ressonância magnética (RM) pode ser recomendada.
A RM geralmente mostra uma fratura oculta. Se o paciente for incapaz de fazer uma ressonância magnética por causa de uma condição médica associada, a tomografia computadorizada (TC) pode ser obtida. Ela, no entanto, não é tão sensível quanto a ressonância magnética para ver fraturas de quadril ocultas.

Tratamento

Considerações

Uma vez que o diagnóstico da fratura do quadril tenha sido feito, a saúde geral e a condição médica do paciente serão avaliadas. Em casos muito raros, o paciente pode estar tão doente que a cirurgia não seria recomendada. Nestes casos, o conforto geral e o nível de dor do paciente devem ser pesados ​​contra os riscos da anestesia e da cirurgia.

A maioria dos ortopedistas e cirurgiões concorda que os pacientes se saem melhor se forem operados com bastante rapidez. No entanto, é importante garantir a segurança dos pacientes e maximizar sua saúde geral antes da cirurgia. Isso pode significar tempo para fazer exames cardíacos e outros estudos diagnósticos.

Quando se submeter a uma cirurgia?

O principal objetivo dessa cirurgia é diminuir a dor da articulação e a incapacidade de realizar movimentos que, normalmente, decorrem da Artrose ou Artrite, mas também podem ser causados por quedas que levem a Fraturas de Quadril.
Quando a dor é muito severa, o indivíduo evita usar a articulação, causando assim, a atrofia dos músculos que a movimentam.
Essa cirurgia é indicada, apenas, depois de todos os outros tratamentos conhecidos foram realizados, sem obtenção do alívio da dor.

Tratamento não cirúrgico

Pacientes que podem ser considerados para tratamento não cirúrgico incluem aqueles que estão muito doentes para se submeter a qualquer forma de anestesia e pessoas que não puderam caminhar antes de sua lesão e podem ter sido confinados em uma cama ou cadeira de rodas.

Certos tipos de fraturas podem ser considerados estáveis ​​o suficiente para serem gerenciados com tratamento não cirúrgico. Como existe algum risco de que essas fraturas “estáveis” possam se mostrar instáveis ​​e se deslocarem (mudar de posição), o médico precisará seguir com os raios-X periódicos da área.

Se os pacientes estiverem confinados ao repouso no leito, como parte do manejo dessas fraturas, eles precisarão ser monitorados de perto quanto a complicações que podem ocorrer devido à imobilização prolongada. Estes incluem infecções, escaras, pneumonia, formação de coágulos sanguíneos e perda de nutrientes.

Tratamento cirúrgico

Antes da cirurgia

A anestesia para cirurgia pode ser anestesia geral com tubo de respiração ou raquianestesia. Em algumas circunstâncias, onde apenas alguns parafusos são planejados para fixação, a anestesia local com sedação pesada pode ser considerada. Todos os pacientes receberão antibióticos durante a cirurgia e pelas 24 horas seguintes. Exames de sangue apropriados, radiografia de tórax, eletrocardiograma e amostras de urina serão obtidos antes da cirurgia.
Muitos pacientes idosos podem ter infecções do trato urinário não diagnosticadas que podem levar a uma infecção do quadril após a cirurgia.

Decisão do médico

A decisão do ortopedista e do cirurgião sobre a melhor forma de corrigir uma fratura será baseada na área do quadril que está quebrada e na familiaridade do especialista com os diferentes sistemas que estão disponíveis para lidar com essas lesões.

Recuperação

Os pacientes podem ter alta do hospital para retornarem às suas casas ou por buscar uma estadia em uma unidade de reabilitação. Ambas as possibilidades requerem auxílio e atenção para que o paciente recupere a capacidade de andar.

Gerenciamento de dor

O aparecimento de dores após uma lesão ou cirurgia é uma parte natural do processo de cicatrização. O médico e a equipe de enfermagem atuam para reduzir sua dor, o que pode ajudá-lo a se recuperar mais rapidamente.
Medicamentos são frequentemente prescritos para alívio da dor a curto prazo após a cirurgia ou uma lesão. Muitos tipos de medicamentos estão disponíveis para ajudar a controlar a dor, incluindo opiáceos, antiinflamatórios não esteróides (NSAIDs) e anestésicos locais.
A equipe médica pode usar uma combinação desses medicamentos para melhorar o alívio da dor, bem como, minimizar a necessidade de opiáceos.
O paciente precisa estar ciente de que, embora os opióides ajudem a aliviar a dor após a cirurgia ou uma lesão, eles são um narcótico e podem viciar. A dependência e a sobredosagem com opiáceos tornaram-se um problema de saúde pública crítico nos Estados Unidos.
É importante utilizar opiáceos apenas conforme indicado pelo seu médico.

Reabilitação

Os pacientes podem ser encorajados a sair da cama no dia seguinte à cirurgia com a assistência de um fisioterapeuta. A quantidade de peso que pode ser colocada na perna lesada será determinada pelo cirurgião e geralmente é uma função do tipo de fratura e reparo (fixação).
O fisioterapeuta irá trabalhar com o paciente para ajudar a recuperar a força e a capacidade de andar. Esse processo pode levar até três meses.

Cuidados médicos

Ocasionalmente, uma transfusão de sangue pode ser necessária após a cirurgia, mas antibióticos de longo prazo geralmente não são necessários. A maioria dos pacientes receberá uma dose de medicamentos para diluir o sangue para reduzir as chances de desenvolver coágulos sanguíneos por até 6 semanas. Estes medicamentos podem estar na forma de comprimidos ou injeções. Meias de compressão elásticas ou botas de compressão infláveis ​​também podem ser usadas.

Cuidados com o acompanhamento

Durante as consultas que acontecem após a cirurgia, o ortopedista /cirurgião vai querer verificar a ferida, remover suturas, seguir o processo de cicatrização usando raios-X e prescrever fisioterapia adicional, se necessário.
Após a cirurgia de fratura de quadril, a maioria dos pacientes recuperará muito, se não todos, a mobilidade e independência que tinham antes da lesão.

PERGUNTAS A FAZER AO ORTOPEDISTA

  • Você é especialista pela Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia?
  • O que posso fazer para diminuir a intensidade da dor?
  • É possível prevenir as lesões no quadril?
  • Como fica o movimento após o procedimento?
  • Quanto tempo de recuperação?

A SBOT é uma associação nacional de especialidade médica responsável por congregar os especialistas em Ortopedia e Traumatologia. A Sociedade promove e tem a responsabilidade na formação de especialistas, além de prover condições para atualização permanente, sob a forma de ensino, pesquisa, educação continuada, desenvolvimento cultural e defesa profissional.

A Sociedade Brasileira do Quadril (SBQ) é uma entidade que promove o progresso científico e técnico dos assuntos relacionados ao quadril e aos profissionais que atuam na especialidade. A sociedade, que é o comitê das patologias do quadril da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia (SBOT) tem um compromisso pedagógico importante a cumprir no contexto da ortopedia brasileira.

Procure sempre um especialista!

 

Referências
1. http://www.scielo.br/pdf/rbort/v52s1/pt_1982-4378-rbort-52-s1-0029.pdf
2. https://www.orthoinfo.org/en/diseases–conditions/hip-fractures/

Destaques da SBOT